terça-feira, novembro 20, 2007

Apologize - OneRepublic played on piano

Uma das minhas subscrições do YouTube. Aconselho que oiçam os vários videos deste imenso talento (não tenho nenhuma formação musical mas considera que toca maravilhosamente)

segunda-feira, novembro 19, 2007

After The Rain...


... is gone you will find faith to love again
After the rain is gone there will be time to love again

Chuva


E finalmente eis que chegou a chuva. Para alguns é um momento de tristeza, para outros motivo de alegria. Eu gosto de chuva, mas só quando estou quentinho em casa... por falar nisso, tenho de ir comprar lenha para acender a lareira... é que mesmo com a chuva, está um frio do caraças!! LOL.

domingo, novembro 18, 2007

Eugénio de Andrade - "ADEUS"

Adeus

Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras
e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro!
Era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes!
E eu acreditava!
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.
Mas isso era no tempo dos segredos,
no tempo em que o teu corpo era um aquário,
no tempo em que os teus olhos
eram peixes verdes.
Hoje são apenas os teus olhos.
É pouco, mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor...
já não se passa absolutamente nada.

E, no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome no silêncio do meu coração.

Não temos nada que dar.
Dentro de ti
Não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.


(Em tempos usei este poema numa peça de Teatro e sempre o adorei. Fica aqui para quem o quiser ler. É também uma dedicatória ao meu pai que era amigo pessoal deste grande poeta.)

FIquei lindo neste desenho...


Vá vá, quero pelo menos 30 comentários neste post!! Menos que isso e vou ficar muito desiludido!! E quero de toda a gente, até daqueles que eu pensava que estavam mortos... e claro, dos anónimos e de todos os outros. Estão abertas as inscrições...

terça-feira, novembro 13, 2007

sábado, novembro 10, 2007

Mesmo antes de adormecer (a 8 Novembro)

Por vezes dizem-nos coisas, ou escrevem-nos coisas, que nos ficam a "martelar" a cabeça. Li há pouco tempo (algures pelos comentários deste blog) que o caminho que escolhi devia ter sido o certo (num sentido irónico claro) já que só me queixava. A idéia ficou-me de facto na mente, tentei analisar o porquê de tal afirmação e penso ter chegado a duas conclusões principais.
1ª) tenho tendência para escrever textos depressivos ou com temáticas emocionalmente carregadas. A verdade é que são estes temas que me desafiam neste momento a escrita. Não por serem os mais difíceis, porque realmente é mais difícil escrever sobre temas alegres, mas porque me sinto mais ligado aos primeiros (e por ligado não se entenda traumatizado ou algo semelhante, trata-se mesmo de preferência). Faz isto de mim uma pessoa triste, deprimida e/ou amargurada com a vida? Bom, talvez um pouco mais cinzenta para quem me conhece por aqui. Porém existem milhares de pequenos "milagres" diários que são acontecimentos positivos na minha vida e sobre os quais não escrevo. Se calhar sou um pouco egoísta, guardo o positivo para mim. É um novo desafio que devo, e tentarei, abraçar!
2ª) Esta segunda conclusão prende-se com o referido caminho. Optei eu pelo melhor caminho? Certamente que não! Poderia ter escolhido outros? Sem dúvida que sim! Estou arrependido do qe escolhi? Não, não estou! Não é o caminho perfeito, nem tão pouco aquele que fez de mim a pessoa que sonhava ser aos 25 anos. Mas não me arrependo nem por uma vírgula. Aprendi muito no que já vivi, mais ainda com as escolhas que, consciente ou inconscientemente, fiz na minha vida. Nem sempre foram as melhores mas todas foram úteis. Parando para pensar um pouco, existem muitas coisas boas que dependeram de "más" escolhas ou acontecimentos menos felizes. Existem tantos factores que afectam a nossa vida que a classificação em boa ou má decisão me parece algo utópica. Quantas vezes uma boa escolha não se tornou na pior por factores e acontecimentos que surgiram mais tarde? A vida é imprevísivel na maior parte do tempo e é isso que faz dela difícil e em simultâneo algo fascinante. Não me arrependo do meu caminho, não me envergonho dele e, sobretudo, sinto que foi sempre fonte inesgotável de aprendizagens e bons momentos. Sim, queixo-me de muita coisa. Sim, também não estou na vida de sonho que pensava estar nesta altura. Contudo, nada disto é sinónimo de infelicidade! Tenho muitas coisas organizadas na minha vida e sinto-me muito feliz com elas e mantenho a crença que o melhor está ainda por viver. Sigo sempre uma grande máxima para mim:
"Sofre sempre por ter vivido não com o medo de viver"
Eu vivi, sofri e estou aqui! Ainda de braços erguidos e ainda a lutar por mim!
(e há que dizer, com o apoio de muita gente importante e da qual não tenciono nunca abdicar)

segunda-feira, novembro 05, 2007